CineBuzz
Cinema / NOVIDADE

Mostra "Mulheres Mágicas" investiga figura da bruxa ao longo da história do cinema

"Mulheres Mágicas: Reinvenções da Bruxa no Cinema" acontece de 11 a 28 de março em São Paulo

ANGELO CORDEIRO | @ANGELOCINEFILO Publicado em 08/03/2022, às 12h23

Mostra "Mulheres Mágicas" investiga figura da bruxa ao longo da história do cinema - Divulgação/Oscilloscope
Mostra "Mulheres Mágicas" investiga figura da bruxa ao longo da história do cinema - Divulgação/Oscilloscope

No mês da mulher, o Centro Cultural Banco do Brasil em São Paulo apresenta a Mostra "Mulheres Mágicas: Reinvenções da Bruxa no Cinema", evento que acontece de 11 a 28 de março de forma híbrida, com sessões presenciais e debates e encontros on-line.

Com uma seleção de 25 filmes, entre clássicos e contemporâneos, longas e curtas, de ficção, documentário, experimental e performances de países como Islândia, Nigéria, Dinamarca, República Tcheca, Síria, Zâmbia, França, Itália, EUA e América Latina, a mostra traz um olhar de como a figura da "bruxa" foi construída ao longo da história do cinema.

A programação foi dividida em dois eixos temáticos. De um lado, estão os principais estereótipos que formam o arquétipo da bruxa no cinema ocidental como os contos de fadas, as releituras históricas da caça às bruxas medieval, as mulheres monstruosas do cinema de horror e a hiper-sensualidade.

Alguns filmes exibidos serão obras clássicas de mestres do cinema como “Dias de Ira”, de Carl Theodor Dreyer; "O Reino das Fadas", de Georges Méliès; “Suspiria”, de Dario Argento; “Temporada das Bruxas”, de George A. Romero; “O Mágico de Oz”, de Victor Fleming, e o filme mudo sueco "Häxan - A Feitiçaria Através dos Tempos".

Já no segundo eixo, a mostra apresenta contrapontos de reinvenção dessa figura, com destaque para filmes de cineastas mulheres e para uma perspectiva "decolonial", como releituras dos contos de fada tradicionais; de mulheres que se autodeclaram feiticeiras contemporâneas; e obras marcadas por sensibilidades negras afro-diaspóricas ou que trazem saberes de povos tradicionais e indígenas.

O eixo terá obras de importantes diretoras do cinema mundial como “Covil das Bruxas”, da ucraniana Maya Deren; “Amores Divididos”, da americana Kasi Lemmons; o islandês "A Árvore de Zimbro", que tem como protagonista a cantora Bjork; "A Bruxa do Amor", da americana Anna Biller; “A Dupla Jornada”, da brasileira Helena Solberg, “Eu Não Sou Uma Feiticeira”, da diretora Rungano Nyoni, entre outras.

A programação conta ainda com um ciclo de debates com convidados nacionais e internacionais. No dia 11 (sexta-feira), às 17h, o evento abre com debate presencial sobre o filme "Dias de Ira" com comentários dos(as) pesquisadores(as) Aaron Cutler e Mariana Shellard.

No dia 19/03 (sábado), às 16h30, será exibido "Amores Divididos", com comentários da prof. Tatiana Carvalho Costa (Una/BH), também no formato presencial.

Destaque para a masterclass virtual, no dia 09 de abril, com a pensadora e escritora italiana Silvia Federici, autora dos livros "Calibã e a Bruxa", "O Ponto Zero da Revolução” e "Mulheres e Caça às Bruxas".

A Mostra contará também com uma sessão infantil com a exibição do clássico "O Mágico de Oz", de Victor Fleming.

A curadoria é assinada pela pesquisadora Carla Italiano, que assina também a coordenação junto com Tatiana Mitre

Confira a lista completa de filmes da Mostra:

  • 1. "O Reino das fadas" (Le royaume des fées), George Méliès 
  • 2. "Häxan - A feitiçaria através dos tempos", Benjamin Christensen
  • 3. "O Mágico de Oz" (The Wizard of Oz), Victor Fleming
  • 4. "Dias de Ira" (Day of Wrath), Carl Th. Dreyer 
  • 5. "The Witch's Cradle", Maya Deren 
  • 6. "Sortilégio do Amor" (Bell, Book and Candle), Richard Quine
  • 7. "A Máscara do demônio" (Black Sunday), Mario Bava
  • 8. "O Martelo das Bruxas" (Witches' Hammer), Otakar Vávra
  • 9. "Temporada das bruxas" (Season of the Witch/Hungry Wives), George A. Romero 
  • 10. "A dupla jornada", Helena Solberg 
  • 11. "Transformations", Barbara Hirschfeld
  • 12. "Suspiria", Dario Argento 
  • 13. "A Árvore de Zimbro" (The Juniper Tree), Nietzchka Keene
  • 14. "Praise House", Julie Dash
  • 15. "Amores Divididos" (Eve's Bayou), Kasi Lemmons 
  • 16. "Feiticeiras, minhas irmãs" (Sorcières, mes soeurs), Camille Ducellier 
  • 17. "Olá, Rain" (Hello, Rain), C.J. Obasi 
  • 18. "La Cabeza Mató a Todos", Beatriz Santiago Muñoz 
  • 19. "A Bruxa do Amor" (The love witch), Anna Biller 
  • 20. "Borderhole", Nadia Granados e Amber Bemak
  • 21. "Eu não sou uma bruxa" (I am not a witch), Rungano Nyoni 
  • 22. "Boca de Loba", Bárbara Cabeças
  • 23. "Quem tem medo de ideologia? - Parte 2" (Who is afraid of ideology?), Marwa Arsanios
  • 24. "Amarração", Hariel Revignet
  • 25. "Kaapora - o chamado das matas", Olinda Yawar Muniz Wanderley 

Para mais informações, acesse o site do CCBB.