CineBuzz
Curiosidades / EITA!

Atriz pornô diz que fez sexo com CEO do Instagram e é banida da rede social

Kendra Sunderland disse que estava tendo relações com Adam Mosseri, CEO da plataforma

Redação Publicado em 15/12/2020, às 14h55

Kendra Sunderland em publicação nas redes sociais - Reprodução/Instagram
Kendra Sunderland em publicação nas redes sociais - Reprodução/Instagram

A atriz pornô Kendra Sunderland teve sua conta no Instagram banida na última semana após fazer uma brincadeira afirmando que estaria fazendo sexo com Adam Mosseri, CEO da rede social e, por isso, poderia violar as regras da plataforma com fotos nuas.

Ela tinha mais de 2 milhões de seguidores e ficou conhecida após aparecer em um vídeo erótico, que viralizou na itnernet e foi gravado na biblioteca da Universidade Estadual de Oregon, nos Estados Unidos, em 2015.



No dia anterior ao banimento, Kendra publicou diversos stories bêbada, contando uma série de histórias polêmicas, enquanto mostrava um brinquedo sexual. Nos vídeos, ela ainda se "gabou" por violar as políticas do Instagram e não ter sua conta deletada.

+Leia mais: Mulher assiste pornô gay e descobre que marido é uma das estrelas do filme

Em entrevista ao Daily Beast, Kendra afirmou que não tinha certeza absoluta se foi banida por falar sobre o CEO ou em razão do conteúdo que publicou. "Eu ficaria surpresa se fosse outro motivo [para ser banida] porque eu disse isso de uma maneira muito brincalhona. Eu nem sabia quem era o CEO do Instagram, nem nada. Nunca conheci essa pessoa antes na minha vida."

No Twitter, ela desabafou dizendo que está sendo alvo do Instagram por ser uma atriz pornô. "Todos nós queremos a mesma liberdade nas redes sociais e todos queremos que a discriminação contra as trabalhadoras do sexo acabe. Mas espero que você encontre algum tipo de satisfação ou felicidade em saber que minha conta foi desativada. Eu também sou sempre impedida de postar no Tik Tok. Esses aplicativos visam claramente as profissionais do sexo e não estou isenta. Ainda vou continuar lutando por mim e por outras trabalhadoras do sexo", escreveu.