CineBuzz
Famosos / POLÊMICA

Angélica revela assédio sofrido aos 18 anos: "Foi uma situação bem escrota"

Apresentadora também falou sobre acidente do filho Benício, em junho deste ano, legalização do aborto e da maconha

Redação Publicado em 23/10/2019, às 11h21

Angélica revela assédio sofrido aos 18 anos: "Foi uma situação bem escrota" - Instagram
Angélica revela assédio sofrido aos 18 anos: "Foi uma situação bem escrota" - Instagram

A apresentadora Angélica Ksyvickis Huck foi entrevistada pela revista Marie Claire e contou que já sofreu assédio sexual quando tinha 18 anos. Ao ser perguntada sobre mudanças nos bastidores da TV após denúncias de assédio feitas contra o ator José Mayer, em 2017, Angélica afirmou que isso ajudou a mudar as coisas, mas não foi só isso: "Hoje, na TV Globo, muitas mulheres em cargos poderosos estão de olho nisso", contou.

Em seguida, a artista foi perguntada se já havia sido assediada e revelou a situação pela qual passou: "Era Natal, estava em Nova York com meus pais e um conhecido apareceu no hotel com uma cara de louco, dizendo que queria conversar. Neguei", lembrou Angélica. "Entrei numa limusine, ele veio atrás. Tentou me agarrar à força. Empurrei, bati nele e saí do carro. Demorei a perceber o que aconteceu. Foi uma situação bem escrota, deu pra sentir como deve ser difícil quando você não tem força para reagir."

++ Tatá Werneck divulga fotos do parto de primeira filha com Rafa Vitti

Angélica também comentou o acidente do filho Benício, de 11 anos, que foi internado após bater a cabeça praticando wakeboard, esporte aquático onde o praticante, em uma prancha, é puxado por uma lancha. "[Ele] voltou para o barco e desci para ver o que tinha acontecido. Ele mesmo tinha buscado gelo, superconsciente. Quando passei a mão na cabeça dele, afundou. Não tinha sangue, mas entendi que era grave", revelou a apresentadora. Ela também contou que não pensou em perder o filho na época, mas sentiu o impacto do acidente depois: "Tinha tanta fé e estava tão focada em rezar que não concebia a ideia de perdê-lo. Não pensei isso, queria que ele saísse bem daquilo", contou. "Foi quando ele viajou com a escola, dois meses depois do acidente, que caiu a ficha. Entrei no quarto e a cama dele estava vazia. Comecei a chorar muito."

Angélica é casada com o também apresentador Luciano Huck, com quem tem três filhos (Instagram)

 

Ao ser perguntada se era a favor da legalização do aborto, a apresentadora não foi direta: "Não posso dizer que sou a favor porque vou afrontar muita gente", desconversou, antes de se dizer a favor do procedimento em casos de estupro. "A saúde também precisa ajudar ajudar. Aborto clandestino é o que mais acontece e mata gente." Agora, em relação à legalização da maconha, Angélica foi afirmativa: "Não. Esse é outro tema que precisa de debate. Se tiver um projeto de lei provando que vai melhorar a criminalidade, falarei: 'é verdade, pode funcionar'. Em muitos países funciona, inclusive. Mas no Brasil, como está, outras coisas têm que acontecer antes".