CineBuzz
Busca
Facebook CineBuzzTwitter CineBuzzInstagram CineBuzz
#CineBuzzJáViu / NOVIDADE

"Percy Jackson e os Olimpianos" é adaptação fiel, mas custa a empolgar | Crítica

Primeiros episódios da série do Disney+ têm história corrida e trocam ação dos livros por falações entediantes; leia a crítica

Henrique Nascimento (@hc_nascimento) Publicado em 14/12/2023, às 18h00 - Atualizado em 19/12/2023, às 12h00

WhatsAppFacebookTwitterFlipboardGmail
"Percy Jackson e os Olimpianos" é adaptação fiel, mas custa a empolgar; leia a crítica (Foto: Divulgação/Disney+)
"Percy Jackson e os Olimpianos" é adaptação fiel, mas custa a empolgar; leia a crítica (Foto: Divulgação/Disney+)

O maior medo dos fãs de sagas literárias é o anúncio de que a história ganhará adaptação cinematográfica. A princípio, ela até pode vir como uma notícia positiva, uma oportunidade de ver tudo aqui, que só imaginamos como seria, saindo das páginas e ganhando vida, como a realização de um sonho, mas logo bate a preocupação de como aquilo acontecerá.

No caso dos fãs de Percy Jackson e os Olimpianos, série de livros escrita por Rick Riordan, o sonho já se tornou um pesadelo em duas ocasiões, com os lançamentos de Percy Jackson e O Ladrão de Raios (2010) e Percy Jackson e O Mar de Monstros (2013), que nem de longe viveram às expectativas dos devotos da história sobre mitologia grega.

Agora, a saga ganha uma terceira chance de fazer bonito para os fãs através de uma série para o Disney+, que chega à plataforma de streaming no próximo dia 20 de dezembro e conta com a participação do "tio Rick" - como os fãs carinhosamente chamam o autor - envolvido diretamente na produção da série.

A boa notícia é que, de fato, agora temos uma adaptação bem mais fiel aos livros do que antes, desde a escalação de atores com idade apropriada para interpretar Percy JacksonAnnabeth ChaseGrover Underwood, entre outros personagens clássicos da história; até a reprodução fidedigna de cenas retratadas nos livros, com a ajuda de Riordan na equipe de roteiristas.

Porém, a má notícia é que, na provável tentativa de acompanhar o crescimento dos fãs de Percy Jackson e Os Olimpianos, cujo primeiro livro foi lançado em 2005, a série ganhou um tom mais sério e monótono, sem o ritmo, a emoção e a magia característicos do texto em que é baseada e foi responsável por encantar tantos jovens ao longo dos anos.

Qual é a história de Percy Jackson e os Olimpianos?

Tentando ser o mais fiel possível à obra de Rick Riodan, a primeira temporada de Percy Jackson e os Olimpianos adapta O Ladrão de Raios, primeiro livro da saga. Na história, Percy Jackson, vivido por Walker Scobell (O Projeto AdamEsquadrão Secreto), é um garoto com Transtorno de Déficit de Atenção com Hiperatividade (TDAH) e Dislexia, que não consegue ir bem em nenhuma escola e sempre acaba expulso por arrumar confusão.

Porém, a sua vida muda completamente ao descobrir que, na verdade, é um semideus, filho de Poseidon, o Deus dos Mares, e precisa ser enviado imediatamente para o Acampamento Meio-Sangue, um lugar destinado a semideuses, para fugir dos ataques de monstros, que sempre acreditou que só existiam nas páginas dos livros de mitologia grega.

Entretanto, ao chegar lá, o garoto descobre que o Raio-Mestre de Zeus foi roubado e ele precisa partir em uma missão para encontrá-lo e devolvê-lo ao Deus dos Céus antes que seja culpado pelo crime e sofra as consequências. Assista ao trailer:

E aí, a série é boa ou não?

Você pode chamar os filmes de Percy Jackson e os Olimpianos de qualquer coisa, mas não de entendiantes. Infelizmente, o mesmo não pode ser dito sobre a série do Disney+. De forma bastante surpreendente, a novidade acelera a história ao mesmo tempo em que constrói uma narrativa lenta e arrastada, que não dá vontade de continuar acompanhando.

Não demora muito para descobrirmos que Percy Jackson é filho de Poseidon, mas tudo o que havia de emocionante até esse ponto é cortado drasticamente. As lutas contra os monstros gregos, que começam a cruzar o caminho do garoto ao notarem que ele é um semideus, não existem ou são reduzidas a um ou dois minutos de cena, com desfechos pouco satisfatórios, sobrando apenas intermináveis sequências em que alguém explica a Percy tudo sobre o universo que ele - e o público - está adentrando a partir daquele momento.

A situação piora com a adição de Walker Scobell à mistura. Diferentemente do garotinho promissor de O Projeto Adam, longa da Netflix de 2022, o ator traz Percy Jackson à vida em uma nota só, sem emoção alguma. O rapaz é extremamente inexpressivo e parece estar indiferente a tudo o que está acontecendo ao seu redor, por mais surpreendentes que as novidades sejam. Meu pai é Poseidon? Ah, grande coisa. Eu sou um semideus? Bom, quem se importa. O Minotauro está tentando me matar? Tudo bem, então.

Esse é um grande problema se considerarmos que é Percy quem nos representa nessa jornada. Ele é a figura, em cena, que vai adentrar esse mundo fantasioso e abrir portas para que a aventura continue, como Harry PotterKatniss Everdeen fizeram antes dele, em suas respectivas franquias. A atuação de Scobell nos faz acreditar que ele gostaria de estar em qualquer lugar, mas não ali. E como continuar a assistir se nem mesmo Percy Jackson, o protagonista da história, parece interessado naquilo?

Para balancear o tom monótono de ScobellLeah Jeffries, que sofreu com ataques racistas ao ser escalada como Annabeth Chase, incorpora até o último fio de cabelo da personagem, dando vida a uma heroína ávida por provar o seu valor à mãe Atena, que sempre a negligenciou, e a si mesma. Aryan Simhadri também não faz feio como Grover Underwood, mas ajuda a colocar o Percy de Scobell em uma situação ainda pior, evidenciando que o personagem só está à frente da história porque o seu nome aparece no título.

Falo como uma pessoa que leu os livros de Percy Jackson e os Olimpianos, mas mesmo quem nunca teve contato com a obra deve reconhecer a série como uma tentativa de fazer algo acontecer, que nunca chega a lugar algum. É como um carro com problema no motor, que você tenta ligar repetidas vezes e, quando acha que conseguiu, ele volta a morrer e você precisa recomeçar de novo e de novo e de novo.

Não adianta criar uma adaptação fiel, reproduzir cena por cena dos livros, mas sem a emoção e a magia que conquistaram tantos fãs. A minha esperança, como alguém que acompanhou a saga desde a adolescência, é de que Percy Jackson e os Olimpianos ganhe ritmo ao longo dos próximos episódios e realmente faça jus ao texto original, porque seria uma tristeza ver uma obra tão incrível, cheia de ensinamentos, fracassar por uma terceira e, possivelmente, última vez.

Leia a matéria original em Rolling Stone Brasil, parceira de CineBuzz, clicando aqui!


Qual foi o melhor filme de super-heróis de 2023 até o momento? Vote no seu favorito!

  • "Homem-Formiga e a Vespa: Quantumania"
  • "Shazam! Fúria dos Deuses"
  • "Guardiões da Galáxia: Volume 3"
  • "Homem-Aranha: Através do Aranhaverso"
  • "The Flash"
  • "Besouro Azul"
  • "As Marvels"
  • "Aquaman 2: O Reino Perdido"

Já segue o CineBuzz nas redes sociais? Então não perde tempo!


Suc

Receba o melhor do nosso conteúdo em seu e-mail

Cadastre-se, é grátis!