CineBuzz
Busca
Facebook CineBuzzTwitter CineBuzzInstagram CineBuzz
Curiosidades / OSCAR

Há 50 anos, Oscar teve batalha por Melhor Filme e Marlon Brando recusando prêmio

"O Poderoso Chefão" e "Cabaret" foram os mais indicados à premiação de 1973

ANGELO CORDEIRO | @ANGELOCINEFILO Publicado em 06/01/2023, às 12h41

WhatsAppFacebookTwitterFlipboardGmail
Há 50 anos, Oscar teve batalha por Melhor Filme e Marlon Brando recusando prêmio - Divulgação/Paramount Pictures/20th Century Studios
Há 50 anos, Oscar teve batalha por Melhor Filme e Marlon Brando recusando prêmio - Divulgação/Paramount Pictures/20th Century Studios

Há 50 anos, a 45ª cerimônia do Oscar ficou marcada por uma disputa intensa entre "O Poderoso Chefão" e o musical "Cabaret", ambos com dez indicações cada. Além disso, a premiação também teve um dos momentos mais controversos da história da Academia: a recusa de Marlon Brando ao prêmio de Melhor Ator.

A noite do dia 27 de março de 1973 já começou estranha quando Charlton Heston, um dos apresentadores escalado, não conseguiu chegar a tempo devido a um pneu furado. Em seu lugar, Clint Eastwood foi escolhido, e brincou: “Escolhem o cara que não disse nada além de três falas em doze filmes para substituí-lo”. 

A categoria de Melhor Filme reuniu cinco tipos de filmes completamente diferentes, com destaque para a batalha entre “O Poderoso Chefão” e “Cabaret”. Ao final da noite, “O Poderoso Chefão” levou para casa o prêmio principal de Melhor Filme, no entanto, o filme com mais vitórias foi “Cabaret”, que se consagrou com oito prêmios, detendo assim o recorde de filme com mais vitórias sem uma vitória de Melhor Filme.

Além da categoria de Melhor Filme, a atenção dos presentes na cerimônia e da audiência de casa também estava voltada para categoria de Melhor Diretor, onde Francis Ford Coppola, por “O Poderoso Chefão”, e Bob Fosse, por “Cabaret”, eram os favoritos. O prêmio foi para Fosse, que se tornou a única pessoa a ganhar um Oscar, um prêmio Tony (“Pippin”) e um Emmy (“Liza with a Z”) no mesmo ano.

A atriz Liza Minnelli levou o prêmio de Melhor Atriz por seu papel em “Cabaret”. Ela teve a concorrência das duas primeiras mulheres afro-americanas a serem reconhecidas na categoria: Diana Ross, por "O Ocaso de uma Estrela", e Cicely Tyson, por "Lágrimas de Esperança". 

MARLON BRANDO RECUSA PRÊMIO

O que muitos não esperavam era que o anúncio de Melhor Ator se tornasse um dos momentos mais memoráveis ​​da história da Academia. Por seu papel como Vito Corleone em "O Poderoso Chefão", Marlon Brando conquistou sua segunda estatueta na categoria - já havia vencido em 1955, por "Sindicato de Ladrões". No entanto, ele recusou a homenagem.

Em um momento histórico da televisão ao vivo, quando a vitória de Brando foi anunciada, a indígena Sacheen Littlefeather, de 26 anos, subiu ao palco para recusar o prêmio de Melhor Ator em nome do ator.

Littlefeather tinha duas promessas a cumprir: não tocar na estatueta (instruções de Brando) e manter seus comentários em 60 segundos (uma ordem do produtor do programa Howard Koch, que disse a Littlefeather minutos antes da entrega do prêmio que ele tinha seguranças para prendê-la caso ela passasse do tempo).

[Brando] lamentavelmente não pôde aceitar este prêmio tão generoso”, disse Littlefeather em seu discurso improvisado de não aceitação, sabendo que não teria tempo para ler as oito páginas datilografadas do ator de comentários preparados.

E as razões para isso são o tratamento dos indígenas americanos pela indústria cinematográfica [o público começa a vaiar] – com licença – e na televisão em reprises de filmes, e também com acontecimentos recentes em Wounded Knee.

Um mês antes da cerimônia, a organização ativista American Indian Movement havia ocupado a cidade de Wounded Knee, em Dakota do Sul, para protestar contra os maus-tratos aos nativos americanos.

Brando foi o segundo ator a recusar um prêmio de Melhor Ator. Antes dele, em 1971, o ator George C. Scott se recusou a receber seu prêmio por "Patton, Rebelde ou Herói?" por acreditar que a cerimônia era um "mercado de carnes". 

Além da ausência de Brando, o ator Al Pacino também se recusou a comparecer à cerimônia. O intérprete de Michael Corleone em "O Poderoso Chefão" sentiu que deveria ter sido indicado na categoria de Melhor Ator, pois tinha mais tempo de tela do que Brando. O prêmio da categoria de Melhor Ator Coadjuvante foi para Joel Gray, por “Cabaret”, que tinha ainda James Caan e Robert Duvall concorrendo por seus papéis no filme de Coppola.

CHARLES CHAPLIN VENCE SEU PRIMEIRO OSCAR

A categoria de Melhor Trilha Sonora Original também reservou controvérsia, já que a trilha sonora de "O Poderoso Chefão" foi indicada, mas posteriormente foi considerada inelegível por ter sido usada em "Rota em Fortunella", filme italiano de 1958.

Ironicamente, a trilha vencedora da categoria foi a de um filme de 20 anos atrás: "Luzes da Ribalta", de Charles Chaplin, de 1952. O filme teve lançamento limitado em 1952, devido às supostas ideologias comunistas de Chaplin, e muitos cinemas se recusaram a exibi-lo.

Em 1972, "Luzes da Ribalta" foi relançado e teve sua primeira exibição em Los Angeles, tornando-o elegível para a disputa do Oscar. Chaplin ganhava seu único Oscar competitivo (ele recebeu dois prêmios honorários) de Melhor Trilha Sonora, dividido com Raymond Rasch e Larry Russell, ambos postumamente.

OSCAR ESPECIAL

Neste ano, "O Destino de Poseidon" ganhou o prêmio de Melhores Efeitos Visuais, um Oscar especial, que só se tornou uma categoria a partir de 1977, sendo seu primeiro vencedor o filme "Guerra nas Estrelas". Antes desta data, os filmes eram premiados sem que houvesse uma competição ou lançamento de indicados. Esta "categoria especial" existia desde 1940, premiando filmes como "Ben-Hur", "Mary Poppins" e "2001: Uma Odisseia no Espaço".

SALDO FINAL

O terceiro Oscar de “O Poderoso Chefão” foi na categoria de Melhor Roteiro Adaptado, assim, o filme de Coppola encerrou a noite com 3 prêmios. Enquanto “Cabaret” ainda se saiu vitorioso em Melhor Trilha Sonora de Canção Adaptada, Melhor Som, Melhor Direção de Arte, Melhor Fotografia e Melhor Edição, além das já citadas vitórias em Melhor Direção, Melhor Atriz e Melhor Ator Coadjuvante, totalizando 8 prêmios.

Para qual lançamento de 2023 você está mais ansioso? Vote em seu filme favorito!

  • "Homem-Formiga e a Vespa: Quantumania" (16 de fevereiro)
  • "A Baleia" (23 de fevereiro)
  • "Pânico VI" (9 de março)
  • "Shazam! Fúria dos Deuses" (16 de março)
  • "John Wick 4: Baba Yaga" (23 de março)
  • "Super Mario Bros. O Filme" (30 de março)
  • "Dungeons & Dragons: Honra Entre Rebeldes" (13 de abril)
  • "Guardiões da Galáxia: Volume 3" (4 de maio)
  • "Velozes & Furiosos 10" (18 de maio)
  • "A Pequena Sereia" (25 de maio)
  • "Homem-Aranha: Através do Aranhaverso" (1º de junho)
  • "The Flash" (16 de junho)
  • "Indiana Jones e o Chamado do Destino" (29 de junho)
  • "Missão Impossível: Acerto de Contas - Parte 1" (13 de julho)
  • "Barbie" (20 de julho)
  • "Oppenheimer" (20 de julho)
  • "Besouro Azul" (17 de agosto)
  • "As Marvels" (27 de julho)
  • "Jogos Vorazes: A Cantiga dos Pássaros e das Serpentes" (16 de novembro)
  • "Aquaman e o Reino Perdido" (21 de dezembro)

+ Já segue o CineBuzz nas redes sociais? Então não perde tempo!


Receba o melhor do nosso conteúdo em seu e-mail

Cadastre-se, é grátis!