CineBuzz

Gina Carano é demitida de "The Mandalorian" após polêmica em redes sociais

Atriz comparou ser republicano a ser judeu no Holocausto, debochou do uso de máscaras na pandemia e mais

Redação Publicado em 11/02/2021, às 07h54 - Atualizado às 08h05

Gina Carano, a Cara Dune de "The Mandalorian", foi demitida da série da Lucasfilm - Reprodução/Lucasfilm
Gina Carano, a Cara Dune de "The Mandalorian", foi demitida da série da Lucasfilm - Reprodução/Lucasfilm

Quando a terceira temporada de "The Mandalorian" estrear, em 2022, Gina Carano não fará mais parte da produção. Em uma nota divulgada à imprensa, um porta-voz da Lucasfilm declarou que a atriz foi demitida em meio a polêmicas nas redes sociais. As informações são do The Hollywood Reporter.

"Gina Carano não está atualmente empregada pela Lucasfilm e não há planos para que ela esteja no futuro. No entanto, suas postagens nas redes sociais diminuindo as pessoas com base em suas identidades culturais e religiosas são abomináveis ​​e inaceitáveis", diz a nota. A agência UTA, responsável pela carreira da atriz, também cancelou o contrato com Carano.

+ Leia também: Pedro Pascal, de "The Mandalorian", e Bella Ramsey, de "Game of Thrones", serão os protagonistas da adaptação da HBO de "The Last Of Us"

A atriz foi demitida após a repercussão negativa de suas publicações em redes sociais gerarem o movimento "#FireGinaCarano" ("#DemitaGinaCarano"). Em uma delas, Carano comparava ser republicana - partido de direita dos Estados Unidos - a ser um judeu no Holocausto, genocídio em massa de cerca de seis milhões de judeus durante a Segunda Guerra Mundial.

Em "The Mandalorian", Carano interpretou Cara Dune, uma das personagens favoritas dos fãs. Por conta da sua popularidade, a Lucasfilm tinha planos de anunciar uma série solo de Cara durante o Investor's Day, em dezembro, mas voltou atrás em novembro após publicações de Carano começarem a surgir nas redes sociais. Elas incluíam deboche ao uso de máscaras durante a pandemia de coronavírus e alegações - sem provas - de fraude nas eleições de 2020, vencidas por Joe Biden.